Quando os steamers passaram a ser encontrados para os consumidores finais também (por muito tempo existiam somente os indutriais e super trambolhões, comprados estritamente pelas lojas), muitas mulheres ávidas por uma facilidade maior em passar suas preciosas peças correram às lojas e compraram os seus. E ele funciona muito bem para tecidos finos e peças mais delicadas, além de não precisar da tábua de passar.

Mas, o que tenho percebido é que, em grande parte das casas que visito devido à meu trabalho, o aparelho acabou ficando encostado ou sendo muito pouco usado.

Isso se deve muito ao fato de muitas pessoas não saberem quando podem substituir o ferro por ele ou vice versa, e em que temperatura.

Então, resolvi fazer essa tabelinha de utilidade pública aqui embaixo com algumas informações:

Lembrando que ele não pode ser utilizado em cima de estampas aplicadas que possam derreter, assim como em tecidos paetizados ou com bordados mais delicados.

Há algum tempo, em uma visita ao site sobre casamentos da Constance Zahn (ela tem ainda um dedicado a babies e a recepções em casa, ambos incríveis também), achei essa tabelinha super útil com uma lista de tecidos delicados que aceitam ou não o ferro ou steamer, especialmente os que são comumente usados em peças mais sofisticadas como vestidos de festa e de noiva.

É super útil para aquelas emergências de última hora quando não dá tempo de mandar a peça para a tinturaria.

Vejam só:

Imagem: Constance Zahn.

Na tabela acima, todos os tecidos são considerados de seda. O tule de nylon tem a mesma indicação.

Vou fazer outro post em breve com dicas e cuidados para diminuir os riscos de danos ao usar o ferro comum nas peças do dia-a-dia, que vocês podem passar para suas secretárias também. Fiquem de olho!

Beijos e bom final de semana,

Roberta Carlucci