O peeling é um procedimento médico que serve para promover arenovação das células da pele, promover a produção de colágenoe melhorar a texturada pele como um todo. Auxilia a clarear manchas e tratar rugas finas e é amplamente utilizado no tratamento de melasma (machas da gravidez), acne, cravos, melanoses solares (manchas do sol), cicatrizes de acne e estrias. Também é utilizado em peles saudáveis para manter o brilho e o viço.

Para realizar um peeling,  o médico pode utilizar substâncias químicas como o ácido retinóico, o ácido tricloroacético, ácido glicólico, ácido salicílico, dentre outros. Também é possível utilizar lasers ou aparelhos de microdermoabrasão(como no peeling de cristal).
De acordo com o tipo de pele e do que desejamos  tratar, podemos realizar peelings superficiais, médios ou profundos. Quanto mais profundo é o peeling, maior sua ação  nas camadas mais profundas da pele e, consequentemente, mais agressivos.

Os peelings superficiais são indolores e não levam ao afastamento das atividades habituais do paciente. Eles deixam a pele um pouco vermelha e, após alguns dias, a pele pode descamar.  Quando se pretende aprofundar o peeling, algum tipo de anestesia é necessária. Em geral, utilizamos anestésico local em creme. Já os peeling profundos, como o de fenol, pode deixar a face bastante vermelha e inchada, com formação de muitas crostas,  de tal forma que o paciente necessita ficar em casa por pelo menos 1 semana, sendo que a recuperação completa pode levar um mês.  É um peeling agressivo, realizado em ambiente hospitalar ou em clínicas onde o paciente possa ser monitorado. No caso de peelings médios a profundos é possível tratar rugas mais profundas e ceratoses actínicas (lesão pré-cancerosa que traz aspereza à pele).

O peeling de ácido retinóico é um dos mais utilizados atualmente pois sua aplicação é indolor e gera uma descamação leve, não tirando o paciente de suas atividades diárias. Normalmente se indicam algumas sessões (peelings seriados) que devem ter de 7 a 15 dias de intervalo mínimo entre uma e outra aplicação. Esse número de sessões varia de acordo com o problema a ser tratado e o tipo de pele do paciente.

É importante consultar com seu dermatologista, pois pessoas com rosácea,por exemplo, podem ter suas lesões de pele agravadas pelo peeling. O peeling deixa a pele mais sensível ao sol, e medicamentos ou doenças que possam acentuar isso devem ser avaliados pelo médico.  Os peelings não devem ser realizados em gestantes e pessoas com alergia a substância utilizada no peeling. Em pacientes negras é indicado apenas peelings superficiais. Pacientes com pele sensível devem ser avaliados cuidadosamente, pois podem ter sua pele ainda mais irritada e vermelha por mais tempo.  Esse tipo de pele também merece um cuidado maior pós procedimento, geralmente com produtos voltados para pele sensibilizada.

É importante ressaltar que alguns cuidados pré e pós peeling devem ser  tomados. Em muitos casos se recomenda um preparo da pele com cremes 30 dias antes da sessão. Após o peeling, deve-se  evitar exposição solar, não arrancar as crostas ou casquinhas que se formam e usar muito hidratante ou água termal.  Orienta-se suspender uso de cremes com ácidos por pelo menos 1 semana após a sessão, além do uso de soluções adstringentes. Os ácidos são substâncias que podem causar queimaduras, cicatrizes ou  manchas chamadas de hipopigmentação ou hiperpigmentação pós-inflamatória. Qualquer procedimento deste tipo não é isento de riscos, e deve ser realizado apenas por profissionais que receberam intenso treinamento na aplicação, no diagnóstico de doenças da pele e no pronto reconhecimento e tratamento de complicações.

Não hesite em procurar seu dermatologista para que lhe seja indicado o que há de mais moderno e seguro no seu caso.