O curso começava oficialmente hoje (04/08) as 10h da matina.

Eu já tinha feito o caminho pra lá ontem com o maridão antes de ir pra Camden, para saber mais ou menos quanto tempo levava.


O campus do Istituto Manangoni fica na Fashion Street, que se chama assim não por ter hoje milhares de fashion studios, lojinhas interessantes e ser casa de alguns estilistas new faces de Londres, mas por ali ter funcionado várias indústrias texteis desde o começo do século passado. O próprio Istituto Marangoni fica em um prédio onde funcionava uma fábrica de tecidos, tudo a ver heim?



Cheguei um pouco antes, de Moleskine e canetas novas na mão (me senti bem no colégio mesmo! rsrsrs) e me deparei com umas 50 pessoas esperando no hall. Vááááários carões, gente nova e mais velha, bolsas Prada e sacolas de pano, hypes e patys pra todos os gostos. A recepcionista mandou sentar e esperar o curso ser chamado, então eu fui. Desfile passando no telão, um monte de gente te olhando de cima a baixo, aquela situação meio “akward”. Confesso que fiquei meio assim, mas logo já puxei papo com umas meninas sentadas do meu lado: uma australiana que faz o curso de Fashion Designer em Milão, e uma mexicana, a Mariana.

Quando nosso curso foi chamado, pegamos as pastinhas e subimos pra sala, ainda com todo o povo dos outros cursos também (são 4 cursos paralelos: Fashion Marketing, Interior Design, Image Consultant, Gaphic Design e Fashion Design). Alan, International Relations do Istituto, deu uma palestrinha sobre o que esperar, regras, dicas, e nos contou um pouco da história do da escola.

O Istituto existe desde 1935 na Itália e ele disse que hoje é A escola mais respeitada da Europa. Eu não sabia, mas uma das estrelas formadas por lá é o Domenico Dolce, que dispensa apresentações. Outra é a Alessandra Facchinetti, que substituiu o gênio Valentino em sua Maison. Tá bom ou quer mais?

Hoje o Istituto está presente nas 3 capitais européias da moda: Milão, Londres e Paris. A base, of course, é a Itália. O de Londres foi o segundo, fundado em 2003, e o de Paris é o caçula, criado em 2005.

Depois da aulinha foi pausa pra conhecer as redondezas e comer, antes da primeira aula oficial do nosso curso as 12:30h. Almocei com a australiana, a mexicana e com a Terry, uma canadense muito querida também. Depois mais duas se juntaram: uma da Látvia e outra de St. Petersburgo.
Na primeira aula, durante as apresentações, já descubro outra brasileira no grupo. No final combinamos de almoçar amanhã para trocar umas figurinhas. Eeeeeeee, adoro conhecer pessoas! Na nossa turma, Class 2, temos gente do mundo todo: Russia, México, Peru, Itália, Canadá, Austrália, Látvia, EUA, entre outros que eu não me lembro (ainda não conheci todo mundo né genteam). E tem 1 homem só, salvando a pátria da representação masculina.


Enfim, estou até agora EXTASIADA com a aula que a gente teve. Não foi bem uma aula, mas um workshop sobre o que é moda, história, fatos e mil outras informações.


A professora: Jewel Arthur
Background: Depois de trabalhar 2 anos com Alexander McQueen, passar pela Diesel e fazer milhares de campanhas para marcas como Prada, Gucci e várias revistas, hoje trabalha como Stylist freelancer e dá aulas no Istituto, além de outros projetos relacionados com moda e arte.
Ela é uma pessoa interessantíssima, super expressiva e divertida, deu uma aula leve e prática, de expandir os horizontes, e não só passou o conteúdo como nos fez aprender a identificar as diferenças, a aguçar nossa percepção para a moda e seus milhares de conceitos e facetas.
Vou fazer um resumão dos conceitos mais interessantes que ela passou pra eu poder recaptular também:
  • O que é moda, ou melhor, se um ET chegasse hoje na terra e você tivesse que explicar pra ele o que é moda, o que você diria? (Essa pergunta não é ó-t-e-m-a?)
  • Porque a moda é tão efêmera?
  • Quem decide o que vai ser tendência? (A pergunta de todos os newbees, né?)
  • As 3 profissões manipuladoras ou aconselhadoras de imagem (image manipulators/advisors): Image Consultant, Stylist/Fashion Editor e Personal Shopper. O que fazem, quais as diferenças, como é o processo de cada um?
Depois entramos em um papo e exercícios sobre as 4 capitais mundiais da moda (Paris, Londres, Milão e NY) e suas diferenças e semelhanças:
  • O que caracteriza cada uma?
  • O que é fashionable em cada uma, ou seja, quais são os desejos de suas sociedades?
  • E pensando nisso, onde cada uma das 3 profissões “manipuladoras de imagem” tem, teóricamente, mais campo de trabalho? (Teóricamente porque você acaba se adaptando para as necessidades de cada lugar e no fim, se você é bom, sempre terá campo de trabalho pra você, não é mesmo?)
Já fico pensando no Brasil: o que é que o brasileiro mais deseja? Qual a mensagem que queremos transmitir? O que valorizamos mais? Como caracterizaríamos, por exemplo, São Paulo nesse exercício?
Eu anotei mil coisas na aula e a(s) resposta(s) pras perguntinhas acima virarão outros posts e discussões, se não não acabo nunca de escrever esse daqui! Claro que se vocês quiserem dar o ponto de vista de vocês, bombem aí a caixa de comentários que eu vou adorar! 😉
Depois do curso, mil idéias, mil assuntos, mega fome e correria para comprar o dever de casa de amanhã: uma revista de moda “diferente”, tesoura e cola. OK, o que não falta em Londres é isso!
Amanhã tem mais e quarta já tem a primeira festinha! Eeeeeeeeeeeeeeee!!
Beijocas da Rô