Quando me procuram para dar palestras em empresas ou para grupos de profissionais, um dos temas mais recorrentes é sobre o dresscode informal e de como as pessoas ainda tem bastante dificuldade com ele.

Sempre digo que o informal é muito mais difícil que o formal, pois no formal as regras são bem claras e definidas, não tendo muitas variações possíveis assim. Já no informal a liberdade pesa, e muitas pessoas não sabem o limite entre o que vestem no churrasco do final de semana e a roupa de trabalho.

O problema aí é que, muitas vezes, a imagem decide quem vai e quem fica, e pode se sobrepor até mesmo à competência.

Eu mesma já tive que tomar decisões assim em minha carreira antes da consultoria: acabamos não promovendo o melhor funcionário, mas sim o que preenchia os requisitos e tinha uma imagem adequada para estar perante ao cliente, atividade que faria parte de sua nova posição.

Por isso, o mais importante para se manter em mente é: o dresscode é informal, mas a imagem deve ser sempre profissional.

Ao vestir uma roupa, avalie-se: eu usaria esta calça para ir no churrasco da minha turma de amigos? Este short é uma das minhas primeiras opções para a balada de sexta-feira? Esta cor ou acessório irá se sobressair mais do que eu? Este decote não é muito sensual, esta calça ou blusa não é justa demais para um ambiente de trabalho?

Além disso, por serem peças informais como camisetas, camisas polo e calças jeans, investir em qualidade é fundamental. Assim como estar em dia com os cuidados pessoais (cabelo, barba, unhas, pele, etc.).

Na dúvida, olhe-se no espelho e faça a seguinte pergunta a si mesmo: você contrataria ou promoveria alguém vestido como você? Confiaria um trabalho importante ou decisivo a esta pessoa na sua frente?

Dificilmente alguém dará mais responsabilidades ou colocará na frente de um cliente uma pessoa que não reflete bem a imagem da empresa, que é desleixada ou que não demonstra profisisonalismo no jeito de se vestir e se portar.

Outra consideração importante é não se espelhar nas más referências, e sim procurar conteúdo e pessoas adequadas para se inspirar. Não é porque alguns colegas se permitem certos deslizes que você vai seguir o mau exemplo. Se você se mantém na linha, muito provavelmente estará mais próximo do aumento desejado do que eles.

E para finalizar, não se esqueça: você é o seu trabalho e a sua imagem deve sempre refletir o profissional que você é!

Caso tenha interesse em saber mais sobre minhas palestras, treinamentos e workshops para empresas ou grupos de profissionais clique aqui ou entre em contato.