Estes dias li um artigo super interessante, escrito pelo headhunter Robert Wong para o site da revista ALFA, falando sobre o desenvolvimento de uma marca pessoal, ou melhor, sobre a vital importância do marketing pessoal.

Na consultoria de imagem conversamos bastante sobre isso: de como melhor refletir quem somos através de nossa imagem, de manter a coerência de nossa imagem em todos os momentos (não só no trabalho, não só com os clientes) e de como melhor destacar nossas qualidades, não só através das roupas, mas também com nossas atitudes, gestos e etiqueta. E tudo de acordo também com nossos objetivos.

Para nós, profissionais liberais, é importantíssimo fazer um self branding antes de se projetar no mercado para reconhecer a melhor forma de tornar visíveis seus diferenciais, pontos fortes e de desenvolver seus “deltas” (ou pontos mais fracos) de forma a se tornar um profissional completo e “reconhecível”. Afinal, quando as pessoas passarem a reconhecer sua marca e o seu trabalho, seu serviço também se torna mais consolidado e confiável, não é mesmo?

Copio abaixo então o artigo de Robert para podermos todos refletir (e agir!) sobre isso:

A marca mais importante, por Robert Wong

Existem muitas marcas mundialmente conhecidas e divulgadas, que nem há necessidade de citá-las, pois são notoriamente reconhecidas pelo público em geral.

Entretanto, a marca que é fundamental, mas pouco trabalhada e lapidada, é a SUA marca pessoal. É essencial que o profissional trabalhe na sua marca pessoal de forma diferenciada, com metodologia, para assim atingir o sucesso, notadamente no setor de serviços, ainda mais nesse mundo globalizado e “comoditizado”.

Você tem seu brand?

Para criar sua marca pessoal, sugiro uma metodologia que denomino BcU – A Brand Called You, onde trabalha-se a imagem do profissional através de um processo que passa por duas etapas – inicialmente a questão interna que foca em três pontos:

1. Real Auto-Confiança que deriva do Autoconhecimento;
2. Competência Diferenciada que efetivamente destaca esse indivíduo de todos os seus pares;
3. Genuíno Interesse nas pessoas e no negócio.

Após trabalhar focadamente essas três questões fundamentais, passa-se então à etapa externa que procura criar uma melhor percepção do indivíduo através dos seguintes pontos:

1. Comunicação Hábil e Efetiva, tanto oral como escrita
2. Presença, estilo e aparência pessoal;
3. Exposição à Mídia e outras iniciativas que divulguem e valorizem sua imagem pessoal e profissional.

O objetivo principal não é apenas divulgar uma melhor imagem da pessoa, mas efetivamente transformá-la em um indivíduo mais completo, através do reconhecimento e investimento nas suas qualidades e pontos fortes. Desta forma, o profissional vai poder desenvolver seu verdadeiro potencial e assim utilizar seus dons e talentos para trazer melhores resultados, tanto para si como para sua empresa e para a comunidade.

Em resumo, trabalhe sua marca pessoal através de um “self-marketing”, mas sempre feito com elegância, credibilidade e bom tom.

Espero que tenham gostado de um assuntinho “off moda”, mas que acho super coerente com a realidade geral em todas as profissões! 🙂

Par ver o artigo no site da ALFA, cliquem aqui.

Beijos,

Roberta Carlucci