… a gente venderia, né? E o que mais você recebe durante a gravidez são mil e um conselhos, na maioria das vezes com a melhor das intenções, porém nem sempre tão bem-vindos.

Maaaass, se eu pudesse dar UM conselho só para as mamães e papais de primeira ou segunda viagem, como nós, eu falaria o seguinte:

Estudem!!

Antes, durante e depois que o bebê nascer!!

Sei que muita gente acredita que temos que seguir nossos instintos na hora de criar nossos filhos, mas não é bem assim: por quê vamos sofrer procurando a solução para problemas que muitos outros pais já passaram e para os quais já existem técnicas simples e eficazes para se lidar? Ninguém precisa inventar a roda!

E não, o seu bebê não é tão diferente assim dos outros todos que já nasceram, então nada melhor do que parar de se sentirem frustrados e começarem a aprender com quem já estudou ou passou por tudo isso muitas vezes, não é mesmo?

Fora que estudamos para tudo nessa vida: para uma nova profissão, para usar uma nova ferramenta, para falarmos novas línguas… então nada mais lógico do que colocar a mão na massa, ou melhor, a cara nos livros, para ser melhor no mais importante trabalho de todos: o de ser mãe e pai!

Acho uma responsabilidade tão grande criar filhos… afinal serão seres humanos que poderão impactar e muito no mundo, no seu futuro e no de muitas outras pessoas. A gente nunca sabe! Então quero dar o meu melhor e acredito muito em me aperfeiçoar e aprender com outras pessoas mais experientes para isso.

Recomendo literaturas relacionadas à criação em geral, como técnicas para abordar certos assuntos, brincadeiras para desenvolver a criatividade, como ensinar as crianças a lidar com frustrações, educação, desenvolvimento do sono (pela sanidade dos pais, kkk), sobre amamentação, sobre parto, sobre gravidez e muitas outras.

Durante a gravidez da Stella, minha primeira filha, li em cada fase os capítulos do livro “O que esperar quando você está esperando”, de Heidi Murkoff e Sharon Mazel. É super legal especialmente para mães de primeira viagem e foi minha obstetra que indicou. Também leio muitos artigos sobre as diferentes fases, seja no aplicativo que uso para acompanhar a gravidez (uso o “Pregnancy Calendar” e o “Minha gravidez”) ou em sites como BabyCenter e Parents.com (ambos em inglês).

Na época também fiz cursos de gestante no Hospital Universitário e na Unimed. Achei incrível, pois além das informações super importantes ainda podemos conversar com outras gestantes e trocar experiências. Procure cursos interessantes para gestantes em sua cidade também!

Com relação aos bebês, puerpério, rotina e principalmente sobre sono, recomendamos aqui em casa muito o livro “Os segredos da Encantadora de Bebês”, da enfermeira americana Tracy Hogg. Lemos e aplicamos algumas técnicas com a Stella há 7 anos e agora estamos relendo para relembrar e usar com a Olivia também. Ele foi fundamental para que a ela aprendesse a dormir bem e para que estabelecêssemos uma rotina da família desde o início (mesmo que não seja exatamente a que ela indicou, mas adaptada para nossa realidade), o que deixa a criança muito mais calma e a vida de todos mais tranquila.

Outro livro que li sobre educação é o The Whole Brain Child (em português “O cérebro da criança: 12 estratégias revolucionárias para nutrir a mente em desenvolvimento do seu filho e ajudar sua família a prosperar“), do dr. Daniel J. Siegel. Li no Kindle e achei super interessante para educar desenvolvendo o cérebro das crianças. Ele tem outros livros que também quero ler, como o “Disciplina sem Drama”, mas ainda não conheço a fundo para recomendar.

Li também o “Crianças francesas não fazem manha”, da autora americana radica em Paris Pamela Druckerman, onde ela menciona as diferenças de criação entre pais americanos e franceses. É cheio e insights muito bons sobre disciplina e em como lidar com as diferentes situações da rotina de pais e filhos.

Online estou adorando assistir ao documentário do Netflix a série “O Começo da Vida”, sobre a importância da educação e o que é relevante, segundo a ciência, no desenvolvimento da criança até os 3 anos de idade, quando a maior parte das conexões cerebrais estão se formando.

Sigo também no instagram alguns perfis super interessantes, como o do Marcos Piangers, autor do livro “Papai é Pop” que está na minha lista de leituras (@piangers) e o @maesforadacaixa.

Desta vez vou fazer ainda uma consultoria especializada em amamentação com uma enfermeira obstétrica aqui de Floripa, já que com a Stella consegui amamentar mas sofri bastante no início com fissuras e empedramento. Ela fará uma sessão com nossa família agora no final da gravidez e depois podemos contratá-la também para o dia do nascimento e o acompanhamento da pega do recém nascido. Depois conto para vocês o que achei e se funciona mesmo! 😉

Bom, este é o meu conselho… espero que gostem!

Ah, e por fim mas não menos importante: tenha paciência e não leve tudo tão ao pé da letra também. O legal de estudar é ter informação para formar a sua própria opinião e ver o que funciona na prática para o seu bebê e a sua família.

Tente diferentes técnicas até achar aquilo que você sente confortável em aplicar e procure não se julgar caso um ou outro método não funcione, seu bebê não se adapte ou as coisas saírem do controle de vez em quando. Estabeleça aquilo que é importante para você (para nós eram horas de sono!) e persista no método que achar melhor, adaptando-o para a sua realidade.

E força na peruca! 😉

Com carinho,

Roberta

PS: os papais também precisam entrar nessa onda, assim vocês sempre estarão alinhados e em sintonia com relação à educação dos seus filhos. Sempre que possível leiam juntos, discutam e adotem as técnicas e métodos de forma unida na família de vocês! 😉